Woolfest | Arte urbana na Covilhã

Não há dúvida que a cidade da Covilhã se está a converter no centro da arte urbana da região Centro de Portugal, graças à acção criativa do Woolfest – Covilhã Art Festival.  Este festival presta homenagem ao glorioso passado da Covilhã enquanto um dos mais importantes centros de produção de lanifícios de Portugal e quer afirmar-se como uma referência da arte urbana no país.

O Woolfest organiza eventos regulares, preenchendo as paredes da cidade com pinturas coloridas que se relacionam com a temática da lã. A cidade da Covilhã nunca mais será a mesma!

Add Fuel  // PT 
O mestre da reinterpretação dos azulejos portugueses, Add Fuel, criou um mural na Covilhã denominado “Oddments”, elaborado a partir dos típicos padrões utilizados na produção dos tecidos locais. O mural encontra-se na parte de trás do edifício da Câmara Municipal da Covilhã.

ARM Collective
O primeiro projecto do Wool Fest tem a assinatura da ARM Collective: RAM (aka Miguel Caeiro de Sintra) e MAR (Gonçalo Ribeiro do Seixal). Estes artistas portugueses criam murais de grande dimensão, aplicando as suas técnicas de freestyle graffiti. Este mural poderá ser contemplado junto à belíssima Igreja de Santa Maria, um dos mais notáveis exemplares da azulejaria em Portugal! Modernidade e tradição de mãos dadas!

Bordallo II // PT
Juntamente com o aclamado artista VHILS, Bordallo II foi considerado um dos melhores artistas urbanos do mundo pela Street Art News, convertendo o lixo na sua imagem de marca. Na Covilhã, Bordallo II criou uma obra artística chamada “Olhos de coruja”, com uma localização estratégica no centro histórico da Covilhã, uma zona algo esquecida da cidade. A coruja como símbolo da sabedoria veicula a mensagem da luta contra a desertificação e da valorização dos recursos humanos.

Bosoletti // AR
Nascido na Argentina, Bosoletti combina um estilo muito clássico com uma expressão artística altamente comprometida com a realidade. Os seus trabalhos possuem notáveis tonalidades terra, dominando a sombra e a luz. Para o festival WOOL, Bosoletti criou uma verdadeira obra-prima que constitui um elogio à beleza incansável das mulheres. “Arrebatamento” – Sou a Mulher, sou a Terra. Sou o sangue que corre do útero. Sou a alma arrebatada, a seiva vital das raízes. Sou o que permanece da tua sedução, a luz projectada na cave. Sou o cordeiro que leva o cordeiro e tudo em redor é pasto teu.” Texto de Giuseppina Ottieri

BTOY (aka Andrea Michaelsson de Barcelona)
inspira-se, sobretudo, em fotografias antigas e tem inúmeras criações artísticas na cidade da Covilhã, sendo a mais impressionante a do retrato do pastor no Largo da Nossa Senhora do Rosário.

Doa Oa // ES 
A artista espanhola Doa Oa criou um mural muito delicado inspirado nas plantas utilizadas tradicionalmente para pintar os tecidos da Real Fábrica dos Panos da Covilhã.

Gijs Vanhee // BE 
O artista belga retratou um pastor da Serra da Estrela no centro histórico da Covilhã, junto à Igreja de Santa Maria, coberta de azulejos. Uma obra de arte poderosa de tons vibrantes que presta uma bela homenagem aos personagens principais do universo da lã: os pastores.

HalfStudio // PT 
Especializados en lettering, os portugueses HalfStudio são famosos pelas mensagens poderosas que deixam pelas cidades. Tendo como mote um fado cantado pela diva do fado de todos os tempos, Amália Rodrigues, “Covilhã, cidade-neve”, estes artista conceberam um mural muito icónico de cores poderosas com versos deste fado belíssimo. Uma homenagem arrebatadora à indústria e à tradição dos lanifícios na Covilhã.

Inside Out Project
tem a assinatura do artista francês JR. Este projeto consiste em 44 cartazes de 44 pessoas que estiveram ligadas à indústria dos lanifícios da Covilhã. Precisamente, o objetivo da integração do Inside Out Project foi o de permitir a descoberta de algumas das histórias de vida de antigos trabalhadores e empresários de fábricas de lã da Covilhã que, por diversas razões, fecharam ao longo dos anos. O Woolfest quis coleccionar algumas memórias do passado recente da cidade, que parece ter sido um pouco esquecido, valorizando-o através desta intervenção.

KRAM
Este gigantesco mural colorido foi criado pelo artista espanhol KRAM. Inspirado numa lenda local sobre um monstro temível que aterrorizava as populações quando caía a noite sobre a cidade, este projecto EXTA WOOL é uma impressionante obra de arte que se encontra nas imediações da belíssima Igreja de Santa Maria, um notável exemplar da arte da azulejaria!

Mr. Dheo // PT
Em 2011, no pico da crise financeira, o artista português de graffiti, Mr. Dheo fez o retrato de uma jovem bordando uma solução para a hecatombe económica. Mr. Dheo começou como autodidacta com 15 anos de idade edesde então colaborou com prestigiadas marcas internacionais e também trabalhou nas ruas, o palco por excelência das suas criações cativantes.

Pantónio // PT
Depois de assistir a uma curta-metragem sobre a decadência da indústria têxtil na Covilhã, o prestigiado artista e muralista Pantónio, inspirado pelo cinema e pelo som dos andorinhões, aves típicas da Covilhã, desenhou um mural absolutamente enternecedor.

Regg Salgado // PT
Este artista urbano português, baseado em Lisboa, criou um mural surpreendente denominado “Fio condutor”, maravilhosamente situado no icónico miradouro das Portas do Sol, no coração da Covilhã. Este mural foi elaborado durante o encontro nacional de Estudantes de Design.

Samina // PT
O Sr. Viseu é uma verdadeira personagem da cidade da Covilhã que trabalhou como operário na indústria dos lanifícios e que foi jogador no emblemático Sporting Clube da Covilhã. Samina retratou o rosto do Sr. Viseu, um verdadeiro símbolo da cidade e uma pungente homenagem às sucessivas gerações de trabalhadores que dedicaram as suas vidas aos lanifícios. O Sr. Viseu não tinha conhecimento deste tributo e ficou absolutamente encantando ao ver esta autêntica obra-prima do talentoso Samina.

Tamara Alves // PT
A criação artística da portuguesa Tamara Alves intitulada “Orfão selvagem”,  como a canção de Allen Ginsberg, retrata uma mulher a bordar o seu próprio vestido em renda de bilros, uma arte em constante declínio na Covilhã. “Não permitam que se torne um mito”. Esta criação deliciosamente feminina é, em simultâneo, um tributo a uma arte em franco declínio e um grito de renascimento.

Third // PT
O português Third retratou um coração tridimensional feito de máquinas de tecelagem que eram, sem dúvida, o cerne da indústria da lã na Covilhã. O artista apaixonou-se por estas máquinas, criando uma verdadeira ode ao motor desta indústria que definiu a identidade de toda uma cidade.

VHILS (aka Alexandre Farto)
Este é o projecto com a assinatura do artista urbano mundialmente reconhecido para o Festival de Arte Urbana Wool Fest, na Rua Visconde da Coriscada, na cidade da Covilhã. VHILS emprega um método criativo muito inovador ao esculpir na parede, criando belas imagens que se podem observar com total clareza à distância. Absolutamente notável!

Return to the top