A Grande Rota do Vale do Côa é um trilho mágico com 196 km, linear, que acompanha o percurso do rio Côa, desde a nascente em Fóios no Sabugal até à foz no Rio Douro em Vila Nova de Foz Côa.

Os seus quase intocados 196 km, estendem-se desde a Reserva Natural da Malcata onde o carvalho-negral (Quercus pyrenaica), o medronheiro (Arbutus unedo) e a azinheira (Quercus rotundifolia) emprestam muitas tonalidades de verde à paisagem até ao vale escarpado do Rio, já perto da Foz onde muito dramáticos afloramentos rochosos são admirados a partir do céu pelos voos magestosos das águias de Bonelli (Aquila fasciata), águias-reais (Aquila chrysaetos), o britango (Neophron percnopterus) e dos abutres-negros (Aegypius monachus).

Porque há uma rede capilar de ribeiras e afluentes do Rio há, também ao longo do percurso um mosaico riquíssimo de culturas mediterrânicas, como a vinha, o olival e o amendoal.

E onde há amendoeiras a perder de vista, há que pombais circulares, construídos em pedra, e usados para a criação do pombo-das-rochas (Columba livia), tão importantes para a produção de “pombinho”, o mais natural dos fertilizantes.

E às urzes que dominam também a paisagem do Vale do Côa, na Reserva Natural da Malcata, sucedem-se os matos de giesta branca (Cytisus multiflorus), piorno-amarelo (Retama spherocarpa), esteva (Cistus ladanifer) e zonas de silvado, com rosa-canina (Rosa canina) e amora-silvestre (Rubus sp.).

Mais perto da foz do rio, a Reserva Natural da Faia Brava que integra a Zona de Intervenção Florestal de Algodres e Vale de Afonsinho, é um enorme montado de sobro (Quercus suber), azinho (Quercus rotundifolia) e o muito imperial carvalho-português (Quercus faginea) que nos surpreendem.

E há, para os nossos olhos, grandes extensões de rosmaninho (Lavandula stoechas) e pinceladas audaciosas de tomilho bela-luz (Thymus mastichina) e perpétua-das-areias (Helichrysum stoechas).

Nas margens do Rio, a linha absolutamente perfeita de freixos (Fraxinus angustifolia), lódãos (Celtis australis) e choupos (Popullus sp.), é visitada por muitas aves.

Para os íntimos aparece a felosa-do-mato (Sylvia undata), o dom-fafe (Pyrrhula pyrrhula) ou o papa-figos (Oriolus oriolus);

Um grande Vale encantado.

Mas ao longo desta rota, há Castelos como contos de fadas. São Castelos muito antigos, estrategicamente incontornáveis para a estabilidade da fronteira entre Portugal e Espanha. São todos altivos: Sabugal, Vila Maior, já a caminho de Almeida, lá estão Castelo Mendo e Castelo Bom, o muito imponente Castelo de Pinhel, a Fortaleza de Almeida, Castelo Rodrigo e Castelo Melhor.

E como se árvores, pássaros, garranos, pombais e aromas preciosos não fossem bastantes, perto da foz do rio, lá estão desde o Paleolítico Superior, milhares de gravuras: uma galeria de arte ao ar livre absolutamente única, conservada ao longo 30.000 anos e classificada pela Unesco: o Parque Arqueológico do Vale do Côa.

Extensão: 196 Km
Nr Etapas: 11
Altitude máxima: 1164 m
Altitude minima: 129 m
Grau de dificuldade: médio a muito difícil
Duração total: 10 a 15 dias a pé; 3 a 6 dias de bicicleta.
Época aconselhada: Primavera e Outono